RS tem 281 mil sem luz, 441 mil sem água e dezenas de rodovias bloqueadas

 

O Rio Grande do Sul ainda contabiliza os estragos causados pelas fortes chuvas que atingem o estado esta semana. Nesta sexta-feira (3), havia pelo menos 281 mil imóveis sem energia elétrica, 441 mil sem água e dezenas de rodovias bloqueadas. As aulas estão suspensas em todas as escolas estaduais.

O que aconteceu

Há 232 mil clientes da concessionária RGE Sul sem energia elétrica. A maioria vive em regiões inundadas ou em locais com impedimento de acesso das equipes, informou a distribuidora. As regiões mais afetadas são o Vale do Taquari (105 mil) e o Vale do Rio Pardo (46,3 mil).

Porto Alegre, Guaíba, Eldorado do Sul e Alvorada também têm pontos sem luz. As cidades são atendidos pela CEEE Equatorial, que totaliza, no momento, 49 mil clientes sem energia. Desses, 37 mil tiveram a eletricidade cortada como medida de segurança, por solicitação da Defesa Civil, dos bombeiros e da prefeitura, informou a empresa em comunicado, às 19h.

São 441.120 sem água, de um total de 6 milhões de clientes da Corsan no RS. Há ainda dezenas de municípios sem serviços de telefonia e internet das companhias Tim, Vivo e Claro, segundo a Defesa Civil.

Aulas foram suspensas. As 2.338 escolas da rede estadual tiveram as aulas canceladas. Dentre as escolas afetadas, há casos de prédios danificados (222) e unidades que estão servindo de abrigo para a população (22). Ao todo, 190.735 estudantes foram impactados.

Vias estaduais e federais são afetadas

Chuvas provocaram danos em rodovias gaúchas. São 136 trechos em 68 rodovias estaduais com bloqueios totais e parciais, entre estradas e pontes, conforme atualização das 18h da Defesa Civil. Dessas, a RSC-287 é a que tem mais bloqueios. São 17 pontos afetados por problemas como desmoronamentos e pistas submersas.

Nove rodovias federais têm 60 pontos de bloqueios parciais e totais. A pior situação é a da BR-386. São 16 pontos, na altura de cidades como Canoas, Montenegro e Estrela, segundo boletim da Polícia Rodoviária Federal (PRF) das 18h.

Corpo de Bombeiros e Defesa Civil trabalham no local de um deslizamento em Santa Maria (RS)
Corpo de Bombeiros e Defesa Civil trabalham no local de um deslizamento em Santa Maria (RS) Imagem: GABRIEL HAESBAERT/ISHOOT/ESTADÃO CONTEÚDO

Mortes no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina

Temporais deixaram pelo menos 41 mortos no RS. Havia 39 mortos e 68 desaparecidos confirmados no último boletim da Defesa Civil do RS, divulgado às 18h desta sexta-feira (3). Às 20h, mais duas mortes foram confirmadas pelo Corpo de Bombeiros de Gramado. No total, a cidade tem seis óbitos.

Ao todo, 265 dos 497 municípios gaúchos —ou seja, mais da metade— foram afetados pelas fortes chuvas que se estenderam desde o início da semana. Há ainda uma morte confirmada em Santa Catarina.

O Rio Grande do Sul decretou estado de calamidade pública na quarta-feira (1º), com prazo de 180 dias. Há cidades catarinenses que anunciaram a mesma medida.

Há pelo menos 68 desaparecidos no Rio Grande do Sul e moradores ilhados em ambos os estados. "É o pior desastre já registrado na história do estado", disse o governador Eduardo Leite (PSDB). Segundo ele, algumas regiões receberam mais de 800 milímetros de chuva.

Santa Catarina

O estado também tem sido atingido por fortes chuvas. Há registros de inundações, deslizamento de terra e alagamentos. O Grande Oeste catarinense teve chuvas moderadas a fortes, nesta sexta. A previsão é que as chuvas ganhem força no Meio-Oeste e Alto Vale.

Quatro municípios decretaram situação de emergência. São eles, Araranguá, Praia Grande, São João do Sul e Ipira, onde uma morte foi registrada.

Até sexta, havia 193 pessoas desalojadas e 46 desabrigadas. Segundo a Defesa Civil, uma pessoa ficou ferida em Caçador e, até o momento, não foram solicitados itens de assistência humanitária.

*Colaborou Ana Paula Bimbati / UOL





Postagem Anterior Próxima Postagem