Estamos 'perigosamente' perto de um acidente nuclear na usina de Zaporíjia, diz chefe de agência internacional

100296988-this-handout-satellite-image-c
Reprodução


A usina de Zaporíjia (ZNPP), no sul da Ucrânia e ocupada desde março de 2022 pela Rússia, tem sido alvo de uma série de ataques com drones desde 7 de abril, pelos quais Moscou e Kiev se acusam mutuamente.

Esses "ataques temerários", os primeiros direcionados diretamente contra a maior central elétrica da Europa desde novembro de 2022, "devem cessar imediatamente", defendeu Rafael Grossi em uma reunião do Conselho de Segurança da ONU dedicada a este assunto.

"Embora felizmente desta vez não tenham causado um incidente radiológico, aumentaram enormemente o risco na usina de Zaporíjia, onde a segurança nuclear já está comprometida", acrescentou o diretor-geral do organismo da ONU, que conta com especialistas no local.

Além disso, estabeleceram um "perigoso precedente, ao terem alcançado com sucesso a estrutura de contenção de um reator".

"Dois anos de guerra pesaram muito sobre a segurança da usina nuclear de Zaporíjia. Cada um dos sete pilares da segurança nuclear da AIEA foi comprometido. Não podemos ficar de braços cruzados e esperar que um último peso incline a balança", disse.

"Estamos nos aproximando perigosamente de um acidente nuclear", insistiu, enquanto pedia que "não se jogue um dado para decidir o que acontecerá amanhã".

Mesmo que os seis reatores da usina sejam desligados, "os perigos potenciais de um grave acidente nuclear ainda são muito reais".

Desde a invasão russa da Ucrânia em fevereiro de 2022, o conselho de governo da AIEA adotou quatro resoluções condenando as ações da Rússia contra as instalações nucleares ucranianas. A usina de Zaporíjia está localizada na cidade de Energodar, às margens do rio Dnieper, e tem sido alvo de ataques e bombardeios nos últimos dois anos.



O Globo



Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem