Banco Central corta a Selic para 10,75%, menor nível de juros desde 2022

  O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu nesta quarta-feira 20 cortar a a taxa básica de juros de 11,25% para 10,75% ao ano.

Essa é sexta queda consecutiva, um ciclo iniciado em agosto de 2023, e a menor taxa desde março de 2022, quando o percentual também estava em 10,75%.

O BC, entretanto, diz que a continuidade de cortes deve ser interrompida diante do cenário de retomada da inflação no país, gerada, principalmente, pelo reaquecimento do mercado e elevação do Produto Interno Bruto (PIB).

 Receba, em primeira mão, as principais notícias da CartaCapital no seu WhatsApp!

“O Comitê enfatiza que a magnitude total do ciclo de flexibilização ao longo do tempo dependerá da evolução da dinâmica inflacionária, em especial dos componentes mais sensíveis à política monetária e à atividade econômica, das expectativas de inflação, em particular daquelas de maior prazo, de suas projeções de inflação, do hiato do produto e do balanço de riscos”, diz o comunicado divulgado pela instituição.

As expectativas de inflação para 2024 e 2025 da pesquisa Focus encontram-se em torno de 3,8% e 3,5%, respectivamente.

Taxa Selic

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas da economia.

Ela é o principal instrumento do Banco Central para manter a inflação sob controle. O BC atua diariamente por meio de operações de mercado aberto – comprando e vendendo títulos públicos federais – para manter a taxa de juros próxima do valor definido na reunião.

Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Desse modo, taxas mais altas também podem dificultar a expansão da economia.

Mas, além da Selic, os bancos consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

Ao reduzir a Selic, a tendência é de que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

O Copom reúne-se a cada 45 dias. No primeiro dia do encontro, são feitas apresentações técnicas sobre a evolução e as perspectivas das economias brasileira e mundial e o comportamento do mercado financeiro.

No segundo dia, os membros do Copom, formado pela diretoria do BC, analisam as possibilidades e definem a Selic.


Carta Capital

Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem